domingo, 9 de junho de 2013

A primeira vez que um grafite atraiu seriamente a minha atenção foi enquanto eu caminhava na Rua 24 de Maio, próximo à galeria do Rock em Sampa.  Eu não poderia ter sido apresentada ao trabalho de Nina Pandolfo em melhor cenário. Os olhos grandes e infantis, as cores fortes e vibrantes, tudo contrastava intensamente com o cinza do centro de São Paulo e o peso dos góticos encostados no muro ao lado da obra prima. Para mim essas distinções enfatizavam ainda mais o aspecto lúdico daquela obra.


Os trabalhos de Nina estão, geralmente, presentes em cenários urbanos, sempre inspirados pela infância e pela natureza, enfeitando a cidade com leveza e criatividade. Mesmo nos grafites mais ousadas e provocantes, Nina busca resgatar a beleza e a inocência nos olhos pueris, levando ao espectador obras inspiradas na simplicidade, na sinceridade e no amor.



 Além de ter o seu trabalho reconhecido em vários países, em 2007 Nina participou do grupo de artistas brasileiros que pintaram a fachada do Castelo de Kelburn, na Escócia. O trabalho já ocupa um lugar bastante relevante no cenário artístico urbano internacional, atraindo admiradores do mundo todo.


Eu e os olhos da menina de Nina.
(detalhe: um dia após essa fotografia esse grafite foi depredado com uma pichação)

0 comentários:

Postar um comentário